Saiba o que significa a alienação fiduciária de um imóvel!

Escrito por Luciano Batista de Lima
Publicado em 26 mar 24
alienação fiduciária

A alienação fiduciária de um imóvel pode parecer um conceito complexo à primeira vista, mas é um mecanismo financeiro e jurídico de grande importância no Brasil.

Esse procedimento é muito usado especialmente para aqueles que estão envolvidos na compra e venda de propriedades.

Se você está em busca de informações sobre alienação fiduciária, este artigo é para você.

Alienação fiduciária: Entenda como funciona!

A alienação fiduciária é um arranjo legal pelo qual a propriedade de um imóvel é transferida do devedor (fiduciante) para o credor (fiduciário) como garantia de pagamento de uma dívida, este mecanismo está previsto na Lei nº 9.514/97 de Novembro de 1997:

Art. 22. A alienação fiduciária regulada por esta Lei é o negócio jurídico pelo qual o fiduciante, com o escopo de garantia de obrigação própria ou de terceiro, contrata a transferência ao credor, ou fiduciário, da propriedade resolúvel de coisa imóvel.

No contexto do alienamento fiduciário de um imóvel, o comprador (devedor) transfere temporariamente a propriedade do imóvel para o credor (geralmente uma instituição financeira) até que a dívida seja integralmente quitada.

Durante esse período, o devedor mantém a posse direta do imóvel, podendo usufruir dele normalmente, desde que cumpra as obrigações estabelecidas no contrato.

A principal função da alienação de imóvel é servir como garantia ao credor de que o empréstimo concedido será devidamente quitado.

Em caso de inadimplência, o credor tem o direito de vender o imóvel em leilão para recuperar o valor devido.

Para que um imóvel seja objeto de alienação, é necessário que haja um contrato de financiamento que especifique as condições da transação, incluindo o:

  • Valor do empréstimo
  • Taxa de juros
  • Prazos
  • Procedimento para transferência da propriedade.

A alienação deve ser registrada em um cartório de registro de imóveis, garantindo a publicidade e a segurança jurídica do negócio.

Uma vez que a dívida garantida pela alienação é integralmente quitada, o devedor pode solicitar a baixa da alienação.

Este processo envolve a emissão de uma declaração de quitação por parte do credor e o registro dessa declaração no mesmo cartório de registro de imóveis onde a alienação foi registrada.

Com a baixa registrada, a propriedade do imóvel é transferida de volta ao devedor, livre de quaisquer encargos relacionados à dívida anterior.

Concluir a alienação de um imóvel é um passo importante para garantir a propriedade plena do bem.

É essencial que todas as partes envolvidas entendam os procedimentos e requisitos necessários para a realização e conclusão desse processo.

Diferença entre alienação e financiamento

A alienação e o financiamento são conceitos amplamente utilizados no contexto de aquisições de bens, especialmente imóveis, mas apresentam diferenças fundamentais em seus propósitos, mecanismos e implicações legais para as partes envolvidas.

Embora ambos estejam relacionados ao processo de obtenção de recursos financeiros para a compra de um bem, a maneira como operam e os direitos e obrigações que estabelecem para credores e devedores são distintos.

1. Financiamento

O financiamento é, na essência, um empréstimo de dinheiro que uma instituição financeira (o credor) oferece a uma pessoa física ou jurídica (o devedor) com o objetivo de permitir a aquisição de um bem ou serviço.

O valor financiado é então pago pelo devedor ao credor ao longo do tempo, acrescido de juros, conforme acordado em contrato.

No financiamento de imóveis, por exemplo, o comprador obtém do banco a quantia necessária para adquirir a propriedade e compromete-se a reembolsar esse montante em parcelas, durante um período previamente estabelecido, que pode se estender por vários anos.

As condições de pagamento, incluindo as taxas de juros e o prazo de quitação, são definidas no momento da contratação do financiamento.

2. Alienação de imóvel

A alienação de imóvel, por outro lado, é um mecanismo de garantia associado a um financiamento ou empréstimo.

Neste arranjo, o devedor (fiduciante) transfere ao credor (fiduciário) a propriedade fiduciária de um bem, como garantia do cumprimento da obrigação.

No caso da alienação de imóveis, o bem permanece em nome do credor até que a dívida seja integralmente quitada.

Essencialmente, o bem alienado serve como uma segurança para o credor, que tem o direito de apreender e vender o imóvel em caso de inadimplência do devedor.

Diferentemente de um financiamento tradicional, onde o devedor mantém a propriedade do bem enquanto paga o empréstimo, na alienação, a transferência da propriedade do imóvel ao devedor só ocorre após a quitação total da dívida.

A alienação fiduciária é uma ferramenta valiosa tanto para credores quanto para devedores, oferecendo segurança no processo de financiamento imobiliário.

Para mais informações sobre certidões, cartórios e outros assuntos relacionados, continue explorando nosso site.

Receba conteúdos como esse por e-mail!

Fique por dentro dos nossos conteúdos, promoções e novidades.


Comentários

Conteúdos Relacionados

Como funciona a Tabela Price em imóveis?

Como funciona a Tabela Price em imóveis?

Se você pensa em começar um financiamento, vale muito conhecer o que é a Tabela Price. Existem muitas dicas para planejar melhor as finanças, sobretudo quando se pretende financiar bens (móveis ou imóveis), o Sistema Price é uma dessas soluções. Veja neste artigo como...

ler mais
Como declarar imóvel financiado?

Como declarar imóvel financiado?

Entender como declarar imóvel financiado e saber quais valores precisam ser declarados é essencial para evitar erros que podem levar a problemas com a Receita Federal. A declaração de um imóvel financiado no Imposto de Renda é uma tarefa que gera dúvidas em muitos...

ler mais